Saiba como funcionava sistema de pirâmide operado pela financeira Unick de São Leopoldo, segundo a Polícia Federal
Compartilhe Essa Notícia

Com investimento mínimo de R$ 90, Unick Academy prometia retorno de até 100% do valor investido. Dez pessoas ligadas à empresa foram presas nesta quinta-feira (17).

Com um investimento inicial de, no mínimo, R$ 90, pago por boleto bancário, a Unick Academy, financeira sediada em São Leopoldo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, atraía investidores pela internet ou em grupos com líderes.

A promessa era retorno de até 100% do valor investido em seis meses. O que parecia ser uma operação normal, na verdade, era um esquema de pirâmide financeira, conforme apuração da Polícia Federal, que deflagrou a operação Lamanai, na manhã desta quinta-feira (17), contra a financeira.

Dez pessoas ligadas à direção da Unick Academy foram presas na manhã desta quinta-feira (17). Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em cinco estados, e conforme a Polícia Federal, a financeira tem também um centro de negócios em Belize, país na Costa Leste da América Central.

Confira abaixo como atuava o esquema de pirâmide operado pela Unick Academy e revelado pela Polícia Federal.

  • Os clientes eram captados de duas formas: ou pela internet, em uma página na qual era possível baixar um boleto, com o valor escolhido para o investimento, e iniciar a aplicação.
  • Ou por captação direta por líderes da empresa, em encontros que ofereciam o produto da Unick. Conforme a PF, esses líderes recebiam bonificação.
  • O valor mínimo era de R$ 90.
  • O investidor ganhava acesso a uma página ou aplicativo em que poderia acompanhar a evolução do seu investimento.
  • O dinheiro era repassado para empresas laranjas, que investiam de diferentes formas.
  • Fintechs, bancos virtuais ou contas em nome de pessoas físicas ou jurídicas eram usadas para movimentar os valores das aplicações.
  • Parte era transformada em bitcoins ou outra moeda virtual, e em outros tipos de aplicação que ainda estão sendo apuradas pela PF. Somente em bitcoins, a PF conseguiu detectar R$ 48 milhões ligados à Unick Academy.
  • A aplicação começava a render para os clientes. Alguns tiveram retorno no início das aplicações, por meio de cashbacks [sistema que devolve parte do dinheiro investido pela internet[.
  • Porém, os pagamentos eram financiados pelos valores obtidos com novos clientes que eram atraídos para a Unick Academy. Isso, afirma a PF, caracteriza pirâmide financeira.
  • Havia um seguro oferecido aos investidores, que a PF apurou ser ligado a uma empresa garantidora. O dono desta empresa é um dos presos, e não tem patrimônio para garantir o ressarcimento desses seguros.

Os presos estão enquadrados em crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, organização criminosa e crime contra o sistema financeiro.

Foram cumpridos 65 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão nas cidades gaúchas de Porto Alegre, Canoas, São Leopoldo e Caxias do Sul, além de em Curitiba (PR), Bragança Paulista (SP), Palmas (TO) e Brasília (DF). Dez pessoas foram presas.

Também foram executadas medidas judiciais cautelares para apreensão de veículos, sequestro de bens e bloqueio de valores em contas correntes.

A organização já havia sido notificada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para que se abstivesse de tais práticas não autorizadas, mas seguiu atuando e teve expedida uma ordem de parada de operações, que também foi ignorada. Ao longo da investigação se evidenciaram outras práticas criminosas como a aquisição de moedas virtuais para remeter ao exterior, em supostos atos de evasão de divisas, assim como crimes de lavagem de dinheiro, entre outros.

Os advogados que defendem a empresa publicaram nota sobre o caso. Confira abaixo.

“O escritório Nelson Wilians e Advogados Associados, que representa juridicamente a UNICK Academy, vem reafirmar o compromisso da empresa em colaborar com as autoridades competentes, prestando as informações necessárias para apuração de quaisquer eventuais fatos que tenham ocorrido em relação a suas operações. A empresa reafirma seu compromisso com seus clientes e acredita na Justiça e nos esclarecimentos dos fatos”.

Fonte G1


Compartilhe Essa Notícia

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.

To use BrandCaptcha you must get an API Key